Home / Paraná / Agronegócio / À deriva: carne brasileira embargada amarga prejuízo em alto-mar

À deriva: carne brasileira embargada amarga prejuízo em alto-mar

Com escândalo da Carne Fraca, vários mercados fecharam as portas para o Brasil nos últimos dias; muita mercadoria, porém, já havia sido embarcada e as perdas podem ser milionárias

Desde que Operação Carne Fraca foi deflagrada pela Polícia Federal (PF), na última sexta-feira (17), a Cooperativa Lar, de Medianeira (PR), está com 227 contêineres (que carregam mais de 6 mil toneladas de frango) parados, sem saber ao certo o que fazer com eles. Somente para a China, um dos países que embargaram a proteína nacional, são 217 contêineres, sendo que 45 estão em portos chineses, 45 em Paranaguá (PR) e 127 em alto-mar.

“Isso caiu como um tsunami, está sendo devastador para nós. Ao todo, exportamos para 67 países, incluindo todos esses que anunciaram embargo contra o Brasil”, diz o presidente da cooperativa. “Se você não entrega o produto, não recebe por ele. Caso isso se arraste por muito tempo, teríamos que tentar encaminhar para outros mercados ou mandar o navio retornar. O prejuízo pode ser de US$ 12 milhões”, lamenta o presidente da Lar. “Nós esperamos que essa situação seja resolvida o mais rápido possível”, torce.

A Lar é apenas uma das empresas que sofrem as consequências da operação. Entres especialistas e agora até para a Polícia Federal (PF) –, o discurso é de que os problemas apontados são pontuais, mas isso não tem impedido que a apuração sobre pagamentos de propina e produtos adulterados respingue em companhias que sequer foram citadas na investigação, como é o caso da cooperativa. Até o momento, diversos mercados fecharam as portas – total ou parcialmente – para a carne brasileira.

Além do custo com a mercadoria em si, há também uma grande preocupação com os gastos em logística. “Os contêineres que ficam retidos nos portos geram despesa de estadia”, explica o presidente da C.Vale, de Palotina (PR), Alfredo Lang.

A cooperativa é a segunda maior do Paraná em faturamento e ainda calcula o tamanho da frota estacionada. “Estamos redirecionando as exportações para outros países, mas isso é a partir dos carregamentos que estão saindo do nosso abatedouro em Palotina, depois da operação Carne Fraca”, complementa.

A C.Vale abate mais de 470 mil frangos por dia e destina 55% da produção ao mercado externo, principalmente a países como China, Chile e Hong Kong, que suspenderam a importação de todos os tipos de carne do Brasil, independentemente da empresa.

Em Santa Catarina, maior exportador de suínos do país e segundo de aves, depois do Paraná, o clima também é de apreensão. Para Ricardo Gouvêa, diretor do sindicato que reúne as indústrias de carne e derivados do estado, o Sindicarne, os embargos podem levar a um efeito dominó na economia. E isso pode não demorar para acontecer. “Nós temos capacidade de armazenagem de seis a oito dias, depois tem que escoar”, pontua.

Em 2016, Santa Catarina exportou 1 milhão de toneladas de frango e 274 mil toneladas de carne suína, gerando no total R$ 2,25 bilhões. “Vamos ter que avaliar o que fazer, tomar outro rumo e até parar a produção. Isso vai piorar a crise, gerar mais desemprego”, completa Gouvêa.

Fonte: Gazeta do Povo

Sobre Redação Terra Boa

Verificar também

Governo anuncia R$ 190,25 bilhões com juros menores para financiar agricultura

O presidente Michel Temer e o ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) anunciam, nesta …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *